22 de julho de 2009

Escuta aqui

Um amigo te convida para uma festa. Você quer ir e vai. O problema é que no caminho seu ônibus quebra, todos os passageiros descem, inclusive você. Na descida, você tropeça e cai em cima de uma senhora com uma criança no colo. Você se desculpa incansavelmente, mas a senhora começa a fazer um escândalo, dizendo que você não presta atenção no caminho, que você machucou a criança, uma pobre criança indefesa, e você tenta se explicar, ela grita mais ainda, você se irrita, grita também, afinal é inocente, e a mulher não te deixa falar, mas ela não quer nem saber, vai chamar a polícia. Vão todos pra delegacia. Só que o delegado estava atendendo outro caso e demorou uma hora pra verificar o caso de vocês. Depois de mais escândalo da senhora agora com a platéia do delegado, vocês finalmente estão liberados. Quando pega seu celular pra avisar seu amigo da demora e de que não sabe muito bem onde está e como voltar, vê que o aparelho está sem bateria e você não decorou o número dele e nem de ninguém que estaria com ele (coisas de quem liga direto da agenda do celular). Você, então, chateado com a situação, pergunta para um policial um caminho para ir para sua casa e descobre que está um pouco longe, mas vai mesmo assim, afinal está louco para dormir.
No dia seguinte, acorda com o telefone da sua casa e quando atende já vem a bronca: “Muito bonito. Fiquei te esperando um tempão porque você confirmou presença e não recebo nem um telefonema! Mas que falta de consideração”
Parece fantasioso não parece? Pois isso acontece muito. Não estou falando da cena do ônibus quebrado seguida da cena da delegacia, eu me refiro à bronca do amigo. Aconteceu algo semelhante com uma amiga minha,claro que não houve escândalo nem delegado, mas ela recebeu uma chuva de broncas sem antes as pessoas sequer perguntarem se ela estava bem, ou o que havia ocorrido para que ela não comparecesse ao compromisso. E o pior, as pessoas que deram bronca, não tinham moral nenhuma, pois o evento que ela não pôde ir era uma festa de aniversário e das pessoas que deram bronca, nenhuma delas foi à festa de aniversário da minha amiga no ano passado.
Eu já tinha achado chato o que aconteceu com a minha amiga até acontecer a mesma coisa comigo. Teve uma festa e eu ia. Recebo uma ligação perguntando por que eu não compareceria com um tom de bronca. Perguntei quem havia proferido tal calúnia, que absurdo. Fiquei meio brava porque a pessoa já chegou me dando bronca. No fim das contas foi um mal entendido, fui à festa e comi pra caramba.
Eu já aprendi a lidar com essa situação, mas a parte ruim é que não basta só eu ter tal postura para que não haja desarmonia, né?

Um comentário:

Luiza disse...

Tem razão. Sempre fazem isso comigo quando não vou a escola ou ao ballet. Você chega no lugar no dia seguinte e o povo já te bombardeando? "Por que não veio ontem? Teve coisa importante! Nem pra me avisar! Fiquei sozinha no intervalho e bli bli bli blo blo blo!"