7 de outubro de 2008

Amigo imaginário

O que é a tecnologia, né?
Antes todo aparelho era grande, pesado, caro.
Muita coisa mudou, e consideravelmente rápido.
Um bom exemplo é o computador que antes era enorme, tomava um cômodo inteiro, e hoje não ocupa nem 50 cm² somando CPU, teclado, monitor e mouse.
Outro bom exemplo é o celular que, não há muito tempo, era grande, pesado e caro.
Tinha só aquele modelo preto, sem muita utilidade além de ligações.
Mas nos dias de hoje, tudo é bem diferente.
Muita coisa não precisa mais nem de fio, o que eu acho bem curioso.
Eu já vi uma moça andando na minha frente, com as mãos balançando normalmente e falando. Mas não era simplesmente falando, como quem filosofa sozinho. Era conversando.
Mas com quem? Nunca ouvi falar de gente grande que tivesse amigo imaginário.
Será que a pessoa com quem ela tava conversando parou pra amarrar os sapatos e ela não viu?
Mas não, era um Bluetooth!
Confesso que achei engraçado aquele negócio grudado na orelha da moça e ela falando e rindo como se estivesse cara-a-cara com alguém.
Mas já vi uma cena mais engraçada ainda.
Sabe aquelas pessoas que falam com as mãos? Não, não surdos. Pessoas ouvintes que só a voz não basta, tem que fazer a interpretação com as mãos.
Então, tinha um desses no ônibus usando um fone de ouvido conectado ao celular. Ele estava de pé, encostado naquela parte sanfonada do ônibus e falando muito alto e, como se não bastasse, fazendo gestos com as mãos.
Ele dizia algo como: “hahahaha não acredito cara! (mãos nas bochechas) É sério mesmo? (mão em formato de suspiro) Mas, perae. Isso não era pra acontecer na próxima terça-feira? (testa franzida) Não, pó! (balançando a cabeça) Não, eu to falando! Aaahhh hahahahahaha... (uma palminha)”
Só não sei se era mais engraçado o cara falando ou o povo olhando com cara de “não to entendendo” pra ele.
Parece uma cena bizarra, mas eu vi. Bom, já vi cada coisa mesmo.
Eu mesma já usei esses fones, mas tentei ser discreta e segurava o microfone para não dar a impressão de estar falando sozinha.
A gente tem que pelomenos parecer normal, né?

Um comentário:

Luiza disse...

Qual o problema de falar com as mãos?
É claro q não em publico nem gritando mas cara- a- cara...